Atalhos de Campo


1.6.14

No interior do silêncio

Natureza-morta
                                                                                                                         
1(...)
  
2

Mas tu cresces abundante como um ano bom
És uma benção como um ano bom
Enches-nos a casa como um ano bom

3

Porque a morte tem o seu tempo
A ruína soma ruína, à cabeça
Equilibra a existência desmoronada e inteira.
Tu és o que edifica
Tu constróis mil vezes.
Porque o raio tem o seu tempo.
És o clarão, a lâmpada, a estrela
Somas luz à luz.
Não és a luz, és mais que a luz
Porque a noite tem o seu tempo.

4(...)

Daniel Faria/Poesia